"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Universidade de Pés Descalços



Acabei de ler no perfil do grupo Chiquinha Gonzaga no facebook, um material postado pela minha amiga Maristela Rocha. Na velocidade da informação pertinente à nossa contemporaneidade, nem sei bem o porquê que este grupo foi formalmente criado, mas acredito que o espírito da coisa seja para difundir e debater o pioneirismo do presente e do passado. Bom, mulheres não precisam de muito para se comunicar. Por vezes bastam os gestos, não é mesmo, Bunker Roy?
 
O fato é que o texto postado pela Maristela e que reproduzo abaixo, veio aparecer na minha vida logo após eu ter assistido o vídeo acima. E fazer a conexão do pioneirismo de um com o outro foi um pulo:

 
A frágil feminilidade tinha que ser manifestada no comportamento, na educação, no vestuário. O "Jornal do Século" traz o registro de duas mulheres agredidas, em 1911, por usarem saia-calça. O fato ocorreu às 17 horas na calçada em frente à redação do "Jornal do Brasil": "Duas mulheres não identificadas, trajando jupes-culotte (saias-calça), moda lançada em Paris no mês passado, pararam o trânsito na Avenida Central e escaparam de ser linchadas graças a dois delegados..."

 
A palestra do indiano Bunker Roy mostra pessoas mudando paradigmas através de práticas cotidianas. Eles reinventam um cenário usando os elementos que têm. As mulheres ganham um destaque à parte. O vídeo não mostra propriamente mudanças de costumes, embora elas vão acontecendo lenta e gradativamente e isso fica claro no relato final. Mas a sutileza da proposta é a transformação que as pessoas podem promover nas comunidades onde vivem com que cada um já traz em seu interior.

 
Há alguns anos aqui no Brasil tivemos a novela “O Clone” em que a personagem de Letícia Sabatela demonstrava toda a artimanha feminina necessária às mulheres marroquinas para conseguirem seus objetivos junto aos homens de suas famílias. Sempre achei fabulosa a construção da personagem Latiffa. Fica claro como em muitas culturas as mulheres continuam não tendo o direito de defenderem diretamente seus pontos de vista, e por isso, lançam mão de subterfúgios, pequenas mentiras, armadilhas e tramas, como as mulheres ocidentais de séculos passados que necessitavam escutar na alcova da casa o que os homens falavam na sala principal.

 
Mas a força feminina é universal. Vamos combinar, mulher é acima de tudo um bicho falante! Se não podemos nos comunicar com a voz, usaremos as mãos e a face, se esconderem nosso rosto, usaremos o olhar ou os passos miúdos ou ligeiros serão a nossa expressão. Ou ainda o cuidar dos filhos, o fazer a comida, varrer o quintal. Sempre encontraremos uma maneira de compartilhar.


 
Fiquei fascinada pela experiência da Universidade dos Pés Descalços. É como se naquele lugar alguém tivesse aberto um baú de destroços e descoberto que poderia construir uma nova história com tudo o que estava dentro dele. Acho que a Grace Olsson seria uma forte candidata a contribuir com este lugar, que agora já avança em outros continentes.

 
Hoje me lembrei da minha avó que sabiamente colhi ervas nas quadras certas da lua e não plantava em meses com a letra erre. No mais, conflitos deveriam ser sempre resolvidos com fantoches, vocês não acham?

10 comentários:

  1. Se a gente parar para analisar, quem muda a sociedade é a mulher, é ela que transgride, que inventa, que modifica. No dia que as mulheres brasileiras tomarem consciência disso e pararem de se submeter de forma tão absurda às vontades masculinas, certamente teremos uma sociedade mais justa pra nós.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Dama.
    O unico porem é que elas devem continuar agindo como mulheres, com sua feminilidade, sua sabedoria, deixando de lado a competitividade estupida pregada pelos homens e assimilada por muitas delas.
    Este video nos leva a pensar profundamente em como estamos vivendo e o que estamos fazendo de nossas vidas.

    bjos e origado por compartilhar

    ResponderExcluir
  3. Malu minha querida

    Este texto mexe demais comigo, tiva a minha filhota a ser vitima de violência doméstica durante 14 anos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderExcluir
  4. excelente esse vídeo, é um que tenho nos favoritos, é muito bom.

    a mulher que transforma, não é a toa que tem o dom de gerar uma vida. pode parecer tudo mto piegas o que falo, mas é por ai. e como força "forte", tudo foi feito para calar a mulher (e é feito até hj) pq senão elas dominam o mundo.

    ainda sinto vergonha de morar em um mundo que mulher é apedrejada seja pelo motivo que for.

    (sou fã da Grace).

    tá tão gostosa essa seleção do mixpod! não tava conseguindo ouvir esses dias, mas hj tá entrando. vou deixar a página aberta pra curtir o som bom.

    bjs e bom dia

    ResponderExcluir
  5. Adélia, querida, tinha conhecimento deste fato por alguns textos seus em seu blog. Espero que tudo esteja bem agora. Se algum dia quiser conversar mais, me escreve um e-mail, combinado?

    Embora nossa enorme capacidade de conversar e de superar, ainda temos muito o que aprender nas experiências umas com as outras.

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  6. Alexandre, as coisas mais óbvias são as mais geniais. E por serem óbvias não damos o devido olhar que deveríamos dar a elas, como a maternidade, por exemplo. Milhares de mulheres são agredidas todos os dias em continente diferentes na hora que deveria ser a mais sublime, dar a luz. Quantas mulheres são obrigadas a ouvir um cale a boca do médico porque estão assustadas na hora do parto? E, pior, acham que isto é normal. São violentadas em seus direitos e nem sabem disso. Bom, mas isso é papo para outra hora.

    Que bom que curtiu as músicas. Me manda umas dicas por e-mail de músicas que vc gosta para eu conhecer. Adoro conhecer coisas novas.

    ResponderExcluir
  7. Cheguei agora... não tarde, só tardeia quem não chega...

    Um comentário: "Primeiro te ignoram, depois se riem de ti, depois te combatem e por fim você ganha"

    ResponderExcluir
  8. Olá Malu querida! Como é bom ler seus posts! E este vídeo é ótimo! Um grande abraço!!

    ResponderExcluir