"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

TED - Ideas Worth Spreading

Aos mais novos, me desculpem a lembrança tão pré-histórica, mas, na infância, uma das minhas brincadeiras preferidas era imaginar que as portas de vidro e inox da varanda do nosso apartamento na Tijuca, bairro carioca, eram as portas que davam acesso às diferentes salas da Enterprise.

Algo realmente inacreditável naquela época era imaginar ser possível abrir uma simples porta apenas chegando-se perto dela. Poucos anos depois, tive o encontro inusitado com esta avançada tecnologia no aeroporto do Galeão (atual Tom Jobim). Hoje não existe ato mais banal do que se deparar com uma porta dessas em infindáveis projetos arquitetônicos.

Novamente na inspiração do lendário capitão Kirk, restava-me, ainda, sonhar com a possibilidade do teletransporte. Ato que até hoje, pelo que eu saiba, ainda não se concretizou. Mas, ainda na década de 90, uma reportagem da revista Super Interessante falava sobre experiências feitas pela General Electric que havia alcançado o feito de teletransportar uma lâmpada em um aparelho experimental de uma sala para outra. Havia apenas um problema: após o processo, a lâmpada não acendia. Passei a ter frios na espinha ao imaginar que parte de mim não mais poderia funcionar se entrasse em uma máquina dessas.

A mesma reportagem ainda enchia os nossos olhos com a idéia do teletransporte de pizzas. Funcionará assim, no futuro. Você telefona para uma pizzaria, faz o pedido, e ela chega na sua casa, quentinha, crocante, através de um simples aparelho eletrodoméstico, ligado a uma linha telefônica.

Nunca mais soube dessas experiências, mas sei que elas estão por aí. O aparelho de teletransporte – sonho de 10 entre 10 meninos e meninas que assistiram ao Jornada nas Estrelas, deve ser lançado, em breve, pelos espanhóis, ou, quem sabe, pelos dinamarqueses? Basta uma busca no Sr. Google para ter notícias do projeto em diferentes pontos do planeta. Assistimos a uma verdadeira corrida maluca como aquela dos primeiros aviões, invenções que não acreditamos, que não conseguimos ter o alcance do que virão a produzir.

Estudantes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), liderados por Pattie Maes, do Laboratório de Interfaces da célebre instituição de ensino norte-americana, criaram um sistema que transforma qualquer coisa em uma tela interativa – de paredes até suas mãos.

Pattie Maes lembra que no mundo real usamos os cinco sentidos para obter informações sobre nosso meio ambiente e responder a ele. “Mas a maioria das coisas que aprendemos hoje procede de computadores e da internet. Por essa razão, a novidade tecnológica foi batizada de Sexto Sentido Digital.


Sempre que me deparo com algo novo, faço a mim mesma a pergunta: eu preciso disso? Até hoje sobrevivo bem sem microondas e cartões de crédito. Levei um ano para descobrir como funciona o twitter e até hoje, embora creia de que se trate de uma proposta que deva ser observada de perto, não há como definir o que esta ferramenta pode acrescentar à humanidade.

No filme a seguir, a viagem é mais longa, uma atmosfera de anos luz para a percepção de que mundo que está por vir (Caso isto seja possível com nossos olhos na atualidade).


Fica, ainda, o convite ao exercício de como serão certos atos rotineiros no ano 5.000 D.C. - Refeições feitas por comprimidos altamente balanceados em nutrientes, sem nenhum prazer do sentar-se à mesa, bebês de proveta, roupas que se adaptam a temperatura, música sensorial? Ou estaremos obesos como os humanos retratados no filme Walle?


Sinceramente, espero que ainda exista espaço para movimentos como o Città Slow, partos humanizados, um bom vinho e uma excelente companhia, nada virtual.




5 comentários:

  1. Nos entregamos fácil e fascinados a tecnologia. Só vemos o lado bom de tudo isso, mas eu temo o supercontrole que tudo isso pode exercer sobre nós sem que muitas vezes a gente nem se dê conta disso.
    Me passou pela cabeça tantos filmes que assistí e que hoje já são realidade.
    É, admiravel mundo novo!
    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. Pois é este o drama. Também me passaram pela cabeça vários outros filmes e, em especial, lendo seu comentário, outra reportagem que foi ao ar ontem no Jornal Nacional sobre novo um serviço de marketing que chega agora no Brasil.

    A pessoa entra em um shopping center e imediatamente começa a receber mensagens pelo celular de lojas em que têm seu número cadastrado, mesmo sem ter solicitado o serviço. Controle social total.

    ResponderExcluir
  3. Oi Malu...
    Como não encontrei um e-mail de contato no seu perfil, vou postar aquí mesmo.
    Se puder leia o texto de 27 de outubro e entenderá melhor o de hj.
    Tem até uma reportagem linkada ao título, ok?
    Bjos...
    Apaguei o post anterior porque errei a data.

    ResponderExcluir
  4. Certamente o consumo de alimentos teletransportados procará cancêr, como qualquer aparelho eletrodomestico de hoje em dia. Tudo da cancêr.

    Eu me pergunto, pra que preciso de twitter? Disseram o mesmo do Orkut. O mesmo do Computador, e o mesmo da televisão...

    Penso no que será a arte, procuro sentido na arte contemporanea, mas fico perdido... Musica sensorial? Será que terá musicas em formas de comprimidos? Eu não sei o que é arte mais... e tenho medo do que o futuro possa me oferecer quanto a isso.

    Interessante o Blog... Byebye

    ResponderExcluir