"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

99 não é 100

Contar uma história triste e colocar na tela emociona.
Quem lida com mídia ou é atento a ela sabe que toda boa história se faz baseada nos sentimentos universais: amor – raiva – tristeza-medo-alegria.


Qualquer texto ou imagem terá sucesso em despertar esses sentimentos se bem conduzidos, bem forjados, no pior sentido da palavra.


Passei anos de minha vida sem me emocionar com o cinema depois que fiz essa cadeira na faculdade de jornalismo. Entrava na tela grande (muito antes dos tempos dos VHS-DVDs e Blu-Ray) e só conseguia enxergar os movimentos de câmera. Eu não queria me emocionar, eu não queria me deixar emocionar, eu não queria ser manipulada. 


Vik Muniz me emociona. Como artista plástico. Porque não é qualquer pessoa que senta no chão e fazer obra de arte com resto de cabelo e poeira. Ou usando material mais nobre como os diamantes que dão forma a rosto de atrizes famosas.


Com sua arte, ele nos proporciona um novo olhar e um novo uso a materiais inusitados. Poderia você lamber um quadro de Vik feito com calda de chocolate?
O olhar de Vik nos convida a outras angulações que não figuram nos manuais de roteiros para cinema e TV.


E utilizando da técnica mais comum nos dias de Grande Irmão – o olho que tudo vê de George Orwell-, convida-nos a interagir com uma proposta ainda mais inovadora – a arte no lixão Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro.


E é ai que Vik me emociona mais uma vez. Emociona porque sou humana, porque o filme mexe com amor-tristeza-raiva-medo-alegria. E porque em determinado momento ele coloca em xeque a própria ação de ajuda oferecida a essas pessoas: E depois da fama, o que restará?


Eu não poderia esperar de um filme de Vik menor plasticidade. E mesmo no pior submundo imaginado, há poesia. Há beleza. Há vida.


O sentimento toma conta e os atos (ou atores) falam por si. Suas vidas tão distantes da maioria do planeta nos remete a um mundo-lixo, com todas as analogias que estas palavras possam trazer aos meus parcos leitores.




Se Lixo Extraordinário ganhará um Oscar, pouco importa ( ou muito importa, quem sabe). Mas vale ser visto de coração aberto. Saboreando cada lágrima e cada sorriso.


E que as palavras de seu Valter ecoem em nossos ouvidos ao pensarmos nos rumos que estamos dando a Terra: "99 não é 100". E eu e você podemos fazer a diferença. Como fizeram e fazem Tião Santos, João Jardim, Lucy Walker, Karen Harley e Vik Muniz.


Parabéns a eles, pele conjunto da obra.

16 comentários:

  1. Oi Malu, estou louca pra ver esse filme! Deve ser estupendo. Adoro as obras do Vic e acho que esse filme deve ser emocionante mesmo...eu que já sou uma manteiga, vou levar logo uma caixa de lenços de papel....beijos,

    ResponderExcluir
  2. Um produção onde a realidade crua e sem adereços serve como pano de fundo.
    Sucesso!!!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Eu fui apresentado ao seu trabalho na abertura da novela da globo e fiquei encantado.
    É realmente um trabalho extraordinário.
    Neste filme ele mostra um lado obscuro da sociedade que ninguem vê.
    E nos mostra que ali há vida...e da melhor qualidade.
    Adorei sua postagem.

    bjos

    ResponderExcluir
  4. Eu já ví outras obras dele em alguma materia, antes da abertura da novela "Passione".
    Ele é realmente incrível, de arrepiar.
    Nossa, o filme é imperdível.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  5. Mallu
    Não conhecia estou emocionada!!! É por e simplesmente uma obra extraordinária, ele mostra neste filme o que não se imagina, o que a nossa sociedade não consegue ver.
    Fantastico.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Malu,

    Com seus comentários fiquei mais interessada em assistir o filme.
    Vc é garota propaganda do Vik!!!!!!!!!


    beijos.

    ResponderExcluir
  7. Espero que mais pessoas venham a assistir e consequentemente ganhem mais consciência do seu papel no meio ambiente, mesmo sem Oscar.

    ResponderExcluir
  8. Malu,

    O texto está maravilhoso. Também chorei no filme. O filme apresenta, e seu texto retrata bem, que há uma realidade triste da sociedade que poucos conhecem mas também, mostra que existe vida, onde não não se pode imaginar que ela exista pelas condições do meio. Que há pessoas preocupadas em ajudá-las a se organizar para o bem de todos.
    E, mostra a ação transformadora da arte.

    ResponderExcluir
  9. Malú,

    achei muito bacana o seu texto. Vi um exposição de fotografias do Vick há cerca de 2 anos atrás e fiquei arrebatada pelo trabalho dele. Era algo muito novo e grandioso. Impossível ficar insensível.

    Bjos,

    ResponderExcluir
  10. oi Malu-
    que bom te ver no meu blog!
    adorei ver o video - já está na minha lista de "vou ver"
    e como me abdiquei de novelas - estou por fora
    bj
    lu

    ResponderExcluir
  11. Olá, parabéns pelo teu blog. Textos muito requintados, concisos. Muito bom!!

    Sou Diego Schaun, poeta e músico baiano. Meu blog é o www.diegoschaun.blogspot.com

    Abraços, boa tarde!

    ResponderExcluir
  12. Malu, querida !

    que bela sua postagem...

    estou super curioso em ver essa maravilhosa produção !

    um beijo!

    ResponderExcluir
  13. Interessante, mas senão me engano, o trabalho dele que fez a abertura da novela Passione...

    Fique com Deus, menina Malu Machado.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Oi Daniel, se vc reler o texto vai perceber que menciono isso também. Arte é pop? Bom, o trabalho vale. E é popular mesmo.

    ResponderExcluir