"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Cai o pano


Assista acima ao trecho do filme Hanna e suas irmãs 
e veja ao final do post a versão musicada do poema de E.E. Cummings por Zeca Baleiro


Mesmo que eu adore ler e escrever, não posso negar. Eu como o mundo é com os olhos. Sou da geração do cinema e ainda peguei filas para conferir bons filmes em salas gigantes do meu saudoso Rio de Janeiro (Hoje a maioria transformada em templos religiosos.)


Ontem fui assistir “Rio” com minha família e amigos. E não é que me deparei com filas novamente? São os tempos do 3D que andam levando centenas de volta à telona. Mas, tirada a sensação dos óculos que nos permitem a sensação do tridimensional, onde estão os filmes que sacudiam o nosso pensamento? 


Antes de continuar, preciso dizer que Rio é um bom filme para o que se pretende. Meu filho de sete anos adorou. Ponto.


Tenho saudades do tempo em que saíamos de casa para assistir ao último filme do Wood Allen. Não importava a temática. Importava o autor. Hoje saímos de casa para assistir a sequencia de algum filme que deu certo na versão I, II, III = resultado certo de bilheteria.


A audácia ficou restrita ao século XIX? Por onde anda o prazer e o gozo pelo experimento?


É tudo milimetricamente calculado: o filme, a venda casada com brinde da avezinha do filme (deste eu escapei!), o combo de pipoca + refrigerante. Eu saí de casa para assistir cinema, onde está escrito que eu teria que ingerir pipoca transgênica com um big copo de refrigerante??? Ver as pessoas repetindo os mesmos atos trouxe à minha mente a imagem Tempos Modernos, do imortal Charles Chaplin.


Na minha adolescência era proibido entrar com comida nas grandes salas. Não ficarei espantada se daqui a alguns dias for instituído o intervalo nas seções para venda de mais comida. Talvez façam isso com os jogos de futebol, a exemplo do que acontece com o basebol norte-americano.


Voltando ao tema principal, por onde andam os grandes diretores do cinema? Chaplin, Fellini, Vittorio de Sica, Win Wenders. Pessoas que eram odiadas ou amadas, mas nunca indiferentes.


O cinema autoral acabou. Não há espaço para novas fórmulas. 


Ando carecendo de pensamentos oxigenantes, pessoas inteligentes e papos criativos. Bem humorados, sempre, mas de crítica avinagrada, este é o gosto de quem lhes escreve.


Caio o pano por aqui. Vou dar um giro pelos blogs amigos em busca de vida sagaz. Infelizmente, fui ao cinema e voltei com falta de ar. Acho que foi o ar condicionado do Shopping. Tenho alergia às obviedades.


Poema de Edward Estlin Cummings por Zeca Baleiro



somewhere i have never travelled, gladly beyond
somewhere i have never travelled, gladly beyond

any experience, your eyes have their silence:

in your most frail gesture are things which enclose me,
or which i cannot touch because they are too near

your slightest look easily will unclose me

though i have closed myself as fingers,

you open always petal by petal myself as Spring opens
(touching skilfully, mysteriously) her first rose

or if your wish be to close me, i and

my life will shut very beautifully, suddenly,

as when the heart of this flower imagines
the snow carefully everywhere descending;

nothing which we are to perceive in this world equals

the power of your intense fragility: whose texture

compels me with the color of its countries,
rendering death and forever with each breathing

(i do not know what it is about you that closes

and opens;only something in me understands

the voice of your eyes is deeper than all roses)
nobody, not even the rain, has such small hands

20 comentários:

  1. É amiga infelizmente vc te razão o cinema não é mais como era antes,... hj a maioria das grandes salas são templos evangelicos,... ua pena.
    Hj ainda gosto de ir ao cinema mas meu marido não snif snif,... então quando vou é com minhas filhas ou amigas tbem não deixa de ser engraçado,... mas não é a mesma coisa,... gostei muito do seu texto,...
    Tenha um lindo fim de semana e Feliz pascoa pra vc e toda sua familia ...
    bjinhs

    ResponderExcluir
  2. Lá no meu perfil
    falando sobre cinema
    disse que deixei de ir
    desde que se comem pipocas na sala
    Podia, se tivesse espaço, dizer tudo o que a Malu disse aqui...

    Hoje o tempo não pára para se saborear o momento, nem o momento é criado para ser saboreado. Mas talvez lhe agrade um poco de Conversa... Avinagrada. Dessa por si falada.

    Boa Páscoa

    ResponderExcluir
  3. Bom...
    "the snow carefully everywhere descending"
    Você arrasou! Chapling... Felini...Wood Allen...
    Sabe que não tive a sorte de vê-los no cinema...
    Amanhã vou ver RIO... imagino o enlatadão que deva ser... como vc disse : para o que se pretende é um bom filme...

    Estamos aguardando o retorno dos gênios.. mas o que me assusta.. é que talvez eles existam... mas o mercado só deixa o óbvio...

    Beijos!
    Nossa falei muito!...rssss

    ResponderExcluir
  4. Ay caramba!

    fico feliz por ser um filme que mostra um Rio bonito.
    Mas isso é triste mesmo, Henry Ford em tudo, até nas artes, que são feitas para agradar com "os componentes certos".
    E filme sobre o Rio (desenho, que seja... ou retrata um céu, ou inferno)

    Acabou a era da inovação, do cinema autoral, das idéias revolucionárias (mesmo que não sejam campeãs de vendas).

    (Eu via a Tupi em SP mesmo hahaha. demorei mto pra vir pra cá pro Japão, não faz uma década ainda q moro aqui rs)

    bjs e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  5. O cinema das antigas telonas é uma lembrança que não se apaga.

    Bj.

    ResponderExcluir
  6. Querida Malu,

    Compartilho o seu “desespero”....rsrs
    Juntando aos citados, onde estão Martin Scorsese, Pedro Almodóvar, James Cameron, Ford, Steven Spielberg, Stanley Kubrick, Orson Welles, Alfred Hitchcock, Clint Eastwood, Akira Kurosawa, David Lynch, Bertolucci, Bergman, Coppola, George Lucas e tantos outros?
    Eu não vou mais ao cinema, perdi todo o T...
    Prefiro meus DVDs

    bjos

    ResponderExcluir
  7. Pois é Lufe, você citou bem. Também prefiro os DVDs, mas ainda rola um cineminha com a ala kid, você me entende.

    Depois deste post hoje vou até alugar alguns filmes antigos.


    beijo grande,

    ResponderExcluir
  8. Guará, cinema bom não se esquece mesmo. E dá vontade de rever e rever. Pena que acabou.

    ResponderExcluir
  9. Alexandre, sobre as idéias revolucionárias, é impressionante como Aldous Huxley anda atual.

    Sobre o Rio, o filme, vale ser visto pela animação etc. Mas não teve como fugir ao Rio de Disney. também, em um filme para crianças, não poderia ser diferente. Para adultos, temos Cidade de Deus, ok?

    Só senti falta no final de uma autoridade que prendesse os contrabandistas. Será que os autores ficaram com medo de virarem piada? Cadê o Capitão Nascimento??? rss

    ResponderExcluir
  10. Willina, a questão é exatamente esta. Em algum lugar fora da Matrix existe vida pensante. O problema é que não se dá luz à ela. Nada pessoa, você me entede. Apenas business.

    ResponderExcluir
  11. Rogério, o tempo anda escasso até para lermos os amigos queridos rss. Porque leitura boa tem que ser sorvada aos poucos. Neste feriado te ponho em dia !

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  12. Minha querida feiticeira. Vamos ao cinema como diversão barata. Ir ou não ir é a mesma coisa. É puro entretenimento. Tanto faz cinema ou pracinha com sorvete. O pensar, o refletir, este temos que exercitar de outra maneira, se não atrofia e morremos todos emburrecidos.

    Bom fim de semana para você também. Aproveite o sol e a lua. Os astros nos energizam a mente e o coração.

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  13. Malu
    Passei apenas para desejar uma Feliz Páscoa.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  14. Olá Malu!
    Confesso que estou até meio envergonhada de nunca ter vindo aqui. Por mais que pareça estranho, eu pensava que vc era outra pessoa e que estava a responder aos seus comentários no Banzai... noutro blogue...parece confuso, mas é verdade. Desculpe!

    O cinema de autor e de culto, parece de facto ter terminado, com algumas excepções. Agora poucas vezes me arrastam até um cinema. Prefiro um DVD em casa...sem pipocas, mas com o filme escolhido por mim.

    Há filmes antigos que comprei para poder ver mais do que uma vez...Bertolucci, Fassbinder.

    Há algum cinema novo de que gosto, Sofia Coppola,Ang Lee...

    E claro os Japoneses...

    A lástima é que a ausência de voz não é exclusiva do cinema, também a literatura se tornou numa passerelle de efeitos especiais...

    Beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  15. Sabe eu gosto muito de cinema e foi bom ler aqui nomes tão importantes, como Woody Allen, Wim Wenders, deu saudades.Já te sigo, se puder visite meu espaço poético, link abaixo,beijos.

    ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Malu, nunca gostei de filmes...
    Ah.,.gostei de alguns poucos...As Pontes de Madson, FlashDance, Fome de viver, e todos os demais com meryl Streep.

    Obrigada paelo seu comentário...Olha, eu sou uma alma intensa, sôfrega, à la Florbela Espanca.. Nao sou feliz vivendo a rotina do dia a dia...Gosto de voar...ser livre...eu sou uma cigana que estava aprisionada num castelo mas que, brevemente, eu vou dar asas á minha imagiancao....kkkk

    ResponderExcluir
  17. Grace, você, aprisionada? rss Só se for no máximo um descanso básico. Tipo cochilo no sofá, entende?

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  18. Ainda não fui assistir esse, mas amooooo cinema!
    Mas já ouviu falar da crise que anda em Hollywood...por que será...???
    Linda, amei seu blog e por isso te linkei no meu.
    Espero sua visitinha por lá:

    www.comoascerejasdaminhajanela.blogspot.com

    Beijos! Liz

    ResponderExcluir
  19. Oi Malu, o selo Ventos na Primavera, é um quadro da artista plástica Gabriela Boechat, inspirado no poema Ventos na Primavera,de minha autoria, e também capa do meu livro Ventos na Primavera.Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Somos uma sociedade de consumo, não há "tempo" para barganhar o produto que somos, então optamos por formulas aceitas do grande público.

    Acho que é isto.

    Fique Deus, menina Malu Machado.
    Um abraço.

    ResponderExcluir