"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

À margem do rio

Certa vez em viagem com amigos, daquelas que você guarda para sempre as imagens nos olhos da alma, conheci Rita. Uma paraense para lá de especial. Mulher madura, criava os filhos sozinha, após um casamento que não era para ser. 


Menina de sorriso largo que só quem já venceu muitos obstáculos nesta vida sabe que não vale a pena ficar triste por mais do que alguns instantes. O suficiente para lubrificar a visão e traçar nova rota de existência.


Estávamos todos reunidos na beirada de um deck em uma pequena praia no litoral de Paraty. Era noite e a conversa girava em torno de amores desfeitos, realizações da vida e, certamente, do encantamento de estarmos em um lugar tão mágico, com estrelas em nossas cabeças e o mar aos nossos pés. Além da nossa voz, apenas o burburinho gostoso do oceano.


“Na sua cidade tem rio?”, alguém me perguntou. “Sim, tem um rio que corta toda a cidade”. Passaram-se alguns instantes para Rita, acredito, tentar formar em sua cabeça a geografia de um rio cortando uma cidade. 


Após um breve silêncio, ela me disse: “Desculpe eu perguntar, mas o rio que você fala, de um lado você consegue enxergar a margem do outro lado? ” Sim, claro que sim ”, respondi. “Então, você não conhece um rio. Rio, na minha terra, é aquele que você pode levar até dias para alcançar a outra margem”.


Rita falou com conhecimento de causa. Não era uma empáfia, era a verdade. O parâmetro de rio para ela era a de uma água sem fim.


Foi a minha vez de ficar criando imagens de um rio sem margem. Deveria ser grande, deveria ser sublime, deveria ser sagrado.


Em instantes o rio da minha cidade ficou pequeno, bem pequeno. É um rio poluído, é claro. E pensei no dia em que chegarei a ouvir a pergunta: " Na sua cidade tem água?"


Todas as fotos publicadas na National Geografic de crianças africanas que levam uma vida sub-humana pela falta de água me vieram à cabeça, bem como me saltou à lembrança a trajetória dos personagens de Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Baleia era o nome da cachorra da família de retirantes no sertão nordestino. Aos filhos, nem certidão, nem nomes, apenas filho mais velho e filho mais novo. Ironias de poeta para retratar um mundo de desesperança.




E depois de toda aquela secura, choveu em mim. Todas as chuvas de verão que eu havia saboreado em minha vida, todos os banhos de rio com margens, todos os mergulhos no mar.


Chorei toda aquela noite e decidi chorar por todo um ano para que nascessem na África e em terras brasileiras, começando bem no norte de Minas, rios caudalosos.



Faria, então, um imenso barco de papel jornal, estampado com notícias sobre políticas e corrupções, e navegaria com os filhos mais novos e os filhos mais velhos deste planeta azul, em busca de uma margem do outro lado, que nunca se alcançasse, visto a largura de nossas esperanças.


Este texto é minha contribuição para o Blog Action Day 2010 cujo tema deste ano é a água.

46 comentários:

  1. Que postagem LINDA! muito original e muito bem escrito (bom, como se isso fosse novidade rs).

    Viajei nas palavras, me veio à mente o sofrimento das crianças, por causa da falta d'água.... bem tão precioso e importante...

    excelente sua participação, Malu! adorei
    boa sexta

    ResponderExcluir
  2. Que lindooooo!!!!!!!
    Como o Alexandre, também viajei nas palavras...
    Deu pra sentir tudo o que você falou, o rio enorme, o rio poluído, as vidas tão secas, seu choro formando um rio caudaloso, da largura de nossas esperanças...
    Parabéns Malu!!!
    Maravilhosa contribuição!!
    Bravo, Bravíssimo!!!
    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Malu.
    Texto lindo, transmitindo sofrimento e esperança.
    È assim o mundo, uns com rios que não se enchergam a outra margem, outros vivem na areia do que foi um leito de um rio.
    Parabens pelo cuidado com o texto, na escolha das fotos, pela participação no evento.

    bjo

    ResponderExcluir
  4. Oi Malu...
    Cheguei tarde pra dar meu pitaco e só posso concordar com tudo o que foi dito aí em cima.
    Lindíssimo texto.
    Bjos...

    ResponderExcluir
  5. Malu, que nossas esperanças realmente sejam infindáveis como as margens e as águas da terra de Rita.

    ResponderExcluir
  6. Oi Alexandre, a sua postagem também ficou linda. Adorei conhecer o Rio Oto e suas carpas famintas.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Regina, que bom que consegui passar este sentimento para você. Obrigada por comentar. O feedback é importante, você sabe.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Lufe, obrigada pelo comentário. E que o mundo possa ter mais rios largos do que ricos secos. Como o exemplo do Alexandre lá no Japão com a despoluição do rio Ota.

    Como disse o Ale em sua postagem, apenas 12% dos rios japoneses ainda estão poluídos. No Brasil esta matemática chega a 70%.

    Ainda temos uma longa caminhada.

    ResponderExcluir
  9. Isis, pitaco dado! Nunca é tarde para receber um afago. Valeu !!

    ResponderExcluir
  10. Querida Mara que deixou de ser anônima e aprendeu a postar com a conta do GOOGLE. Oba!!

    Amiga, de coração, se a humanidade tiver metade da sua bondade e de sua força, então ainda veremos esse planeta bem melhor do que ele é hoje.

    Obriga pela sua amizade e obrigada por estar em minha vida.

    Beijo Grande !!

    ResponderExcluir
  11. Malu,

    Choro contigo , aqui , agora ...

    Que texto lindo , emocionante .
    Imagens , sua narrativa , sem comentários.

    Só emoção mesmo.



    BjO e um Final de Domingo Sereno.

    ResponderExcluir
  12. "Faria, então, um imenso barco de papel jornal, estampado com notícias sobre políticas e corrupções, e navegaria com os filhos mais novos e os filhos mais velhos deste planeta azul, em busca de uma margem do outro lado, que nunca se alcançasse, visto a largura de nossas esperanças."
    Oi, Malu... NOS SOMOS MESMO A CURA!
    Nem que seja de forma lúdica, as atitudes do bem sempre mostram o que somos!
    Parabéns pelo lindo post!
    Também estarei sempre por aqui.
    Grande beijo

    ResponderExcluir
  13. Esse Rio é realmente um sonho!
    O Meu Rio (de Janeiro)vive às margens da lei, da boa convivência, da seriedade dos políticos e da dignidade de seus cidadãos., que a cada dia se perdem mais.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Malu, fiquei emocionada ao ler este post, o primeiro que lí ao chegar aqui. É lindo, intenso e verdadeiro.

    Beijos!

    Mina

    ResponderExcluir
  15. Malu,

    Não é maravilhoso podermos compartilhar nossos pensamentos, um pouco do que somos e queremos ser através da escrita e encontrar outras pessoas sensíveis.
    Teu texto é bem escrito e favorece a identificação com o leitor ao fazê-lo percorrer os caminhos desta viagem, através do belo, da realidade, do reconhecimento do outro e da esperança.
    Parabéns. Te sigo.

    Tenha um final de domingo de paz e inspirações.

    ResponderExcluir
  16. Querida Xará. Chora você daí, eu daqui e quem sabe conseguimos inundar o mundo com o gosto pela vida?

    Bjs

    ResponderExcluir
  17. O Fadinha, bom te receber por aqui. Sim, somos a cura. O exercício da prática é o que promove as mudanças de paradigma.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  18. Oi Guará. Também sou carioca e sofro com o nosso Rio. Mas em meio a tantas notícias ruins, ainda encontramos pessoas como você, preocupadas em dar voz a temas que provam que ainda somos seres humanos capazes de nos sensibilizarmos com uma boa canção, com bons gestos e boas causas.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Mina, seja bem-vinda e fique à vontade para lere sugerir. Sempre bom ampliar nosso leque de amigos por aqui.

    Um beijo grande,

    ResponderExcluir
  20. Oi Anna, seja muito bem-vinda. Suas palavras me dão fôlego para nova aventuras por aqui. Também te sigo. Seu blog é ótimo!

    Bjs,

    ResponderExcluir
  21. Olá, passeando na net vi seu blog e adorei!

    Que bela postagem esta sua, muito envolvente e original!

    Parabéns!

    bjkas e boa semana

    ResponderExcluir
  22. Malu,
    Proponho...
    Dou uma ideia
    (ou um delirio)
    Unamos esforços
    para vencer tal martirio
    construído uma ponte
    uma consistente passagem
    para a outra margem
    quer exista quer não
    façamos isso
    não só com o coração...

    (gostei do poema que me deixou)

    ResponderExcluir
  23. Malu,

    Não tem que agradecer você também é uma luz e um exemplo para mim. Não se esqueça amizade é uma das forma de amor, e amor não se agradeçe apenas se sente. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  24. Olá Carmem,

    Bom receber sua visita. Sempre terei um drinque e um delírio para você.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  25. Rogério, a ponte já está sendo construída, de lá para cá de cá para aí.

    Que bom que gostou do poema.

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  26. Mara, o que mais dizer? Você disse tudo, amiga. Bjs e bom retorno a BH.

    ResponderExcluir
  27. Lindo, amiga! Parabéns pelo texto!!

    Eu fiquei imaginando a cara Rita. Como assim um rio que corta a cidade!? Cidade imensa.. kkkk

    Morro de vontade de ver um rio da amazônia!

    Bjos.

    ResponderExcluir
  28. E tudo depende de parametros, pois para uns, pode ser algo de pequena valia, para outros, a diferença entre a vida e a morte...

    Fique com Deus, menina Malu Machado.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  29. Olá Malu.
    Obrigada pela visita e comentários, no meu blogue. Também gostei muito do seu!
    Achei este texto muito sensível, ternurento, emocionante até. Gostei imenso.

    Quanto aos transgénicos, infelizmente, acho que está errada, os transgénicos estão no Brasil, ilegalmente desde 1997 !

    Confira aqui:
    http://www.greenpeace.org/brasil/pt/O-que-fazemos/Transgenicos/

    "Desde que os transgênicos chegaram clandestinamente ao Brasil, em 1997, o Greenpeace trabalhou para que o consumidor pudesse identificá-los e decidir se compraria ou não."

    Obrigada pela dica, do livro,já anotei, para procurar :)

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  30. Porque diminuir seus textos? Por favor, continue assim! ;-)
    B-Jos.

    ResponderExcluir
  31. Olá, tudo bem? Acompanhei os vários posts feitos. O alerta é importantíssimo. Uma pena não ter visto a chamada do Alexandre.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  32. Polly, a cara dela foi essa mesma que você imaginou rss. Choque total de cultura. Muito bacana. Rimos muito depois.

    Bom te ver por aqui.

    Bjs

    ResponderExcluir
  33. Menino Daniel, adoreí o menina!! Sim, o cadinho de um pode ser o banquete de outro.

    Obrigada pela visita.

    Bjs

    ResponderExcluir
  34. Oi Fernanda, vou pesquisar sobre os transgênicos no Brasil. Obrigada pela visita.

    Lendo o livro, me diga o que achou.

    Bjs

    ResponderExcluir
  35. Oi Pri, tando preguiça de ler não?? rss Que bom! Mesmo assim vou tentar ser mais sucinta.

    ResponderExcluir
  36. Oi Isadora,

    Ano que vem você entra. Bom te ver por aqui.Espero que volte.

    Bj

    ResponderExcluir
  37. Po 37 coments! Nem deu falta do meu comentario! hehehehe Linda postagem sobre a agua! ficou mto melhor que a minha! hehehe Parabens.

    ResponderExcluir
  38. Querida Dydy, não há postagem melhor, o importante foi a sua, a minha a participação e tantos blogueiros em prol desta causa.

    Sim, sempre ficarei feliz com sua postagem e de tantos outros. Significa que gostaram, significa que o que escrevo mexe com as pessoas. E sempre sentirei sua falta, quando não vier me visitar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  39. Adorei a foto do garoto na chuva ou no banho de mangueira! Vc sabe... meu negócio são as imagens, palavras são para os sábios, que sabem moldar dar vida a estes pequenos símbolos que nos fazem tão especiais!
    Beijos Blue

    ResponderExcluir
  40. Ah quanto ao absinto.. toda vez que venho aqui fico meio ask j ds i jf hã queuaeu que aconteceu! hic! Risos.
    Beijos Blue!

    ResponderExcluir
  41. Preguiça em ler seus textos não existe querida!!!
    Pode faze-los até maior se quizer!
    Olha só, fiz um fotoblog: http://fleshspriscillamarfori.blogspot.com/
    Gostaria de te-la como amiga lá também!
    B-Jos.

    ResponderExcluir
  42. Malu, vim retribuir a visita e achei seu lindo texto sobre a água.Todo mundo devia saber que a água é um bem finito.
    abs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  43. Blue!!!!!! Se for dirigi, não beba!!!!!! kkkkkkk
    Imagem e palavras se completam. O mundo não teria a mesma graça se não houvessem tantas maneiras humanas de expressão.

    Um beijo,

    ResponderExcluir
  44. Oi Jussara,

    Bom que você veio. Espero que retorne sempre.

    Beijo,

    ResponderExcluir
  45. Posso navegar também no seu barquinho, mesmo que ele seja de papel?! O mais incrível é que, mesmo ele sendo de material tão frágil, vai tão longe... Malu, o melhor rio do mundo é o rio que corre na nossa terra... mesmo que eu enxergue a margem do outro lado. Vejo que a sua viagem foi além dos limites de qualquer rio... mesmo desses que, de tão largo, não se vê o outro lado. De um lado o mistério e o medo do desconhecido. Do outro, a felicidade e o conforto de saber o que há na outra margem... tudo é relativo. E quando voltar ao Pará, diga à menina de sorriso largo, a quem vc sugeriu que ficasse triste apenas por um instante (nada além que 30 segundos)- o suficiente para para lubrificar a visão e traçar nova rota de existência - completando com o poema de Duda Mendonça:"Em 30 segundos tudo se apaga ou se ilumina. Tristeza ou adrenalina...Em 30 segundos
    Você lembra/E o passado vem a tona/ Em 30 segundos/Você esquece,/Volta a sorrir/ E novamente se apaixona " O importante é isso: "é ter o direito de dizer coisas sem sentido, de não ter que ser perfeito, pretérito, sujeito, artigo definido... de me apaixonar todo dia".

    Vc é poeta, moça, nem sabe disso!
    Beijos!!

    ResponderExcluir