"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Segredos de menina



Todas as manhãs quando acordava, permanecia alguns minutos ainda deitada na cama de olhos fechados apenas com a sensação gostosa de ouvir vozes na cozinha de minha avó. Sempre me punha a imaginar que escutaria dali um segredo de família que nunca houve. Entre as frases recortadas seguia-se o cheiro do café que desde menina minha mãe me ensinou a apreciar.

Eram férias de verão. A casa de minha avó não tinha forro. No teto, era possível ver as telhas e ouvir, por vezes, sons de morcegos que sobrevoavam a noite. Os visitantes, mesmo não sendo freqüentes, rendiam histórias sem fim entre os primos e primas já debaixo dos cobertores.

Em janeiro sempre chovia. E nas tardes de chuva intensa, nossos olhos seguiam pregados nas janelas atentos aos rios e lagos que se formavam pelas ruas. Ficávamos a calcular em uma matemática ainda não aprendida qual o melhor local para darmos um grande salto, capaz de molhar quanto mais pudéssemos o nosso corpo.

O tempo também se media pela quantidade de barquinhos de papel que conseguíamos produzir para lançá-los após a chuva intensa. Muitos afundavam antes da curva na rua de baixo. Outros seguiam heróicos pelos caminhos da enxurrada, enchendo de orgulho o seu construtor.

São histórias singelas de uma infância querida, na qual a passagem das horas era medida pelo matar da fome, da sede e do sono e por insistentes apelos dos tios e tias para tomarmos pelo menos um banho por dia.

Relógio de criança é diferente.

Hoje, se eu fosse uma maçã, me dividiria em pedaços iguais:

1/3 para meu trabalho 

1/3 para ser mãe 
1/3 para me apaixonar 
1/3 para conhecer o mundo
Outro pedaço para ler, outro para fazer nada, outro para aprender a desenhar, outro para dançar, outro para minha aula de canto, outro para comprar um vestido novo, outro para sair com os amigos, uma lista sem fim.

Sinto que não sobrou maçã e ainda tenho um bocado de aventuras a serem vividas.

Complicando ainda mais esta equação, há dias em que quero ser inteirinha uma maçã moleca, pronta para vadiar, em outros me dá uma vontade danada de reunir amigos. Há dias de querer estar só e divagar com meus mil pensamentos.

Em todos os dias sou uma alma fracionada. Deliciosamente imprevisível, atrapalhada com tantos afazeres e possibilidades, derrotada pela percepção de   viver imersa em uma ampulheta de areia, transgressora com apetite de virar à mesa e fazer tudo diferente. Feliz com algumas rotinas, como gato vira-lata que sempre volta ao aconchego do lar.


Saudades do café de minha vó.

34 comentários:

  1. Somos metamorfose.
    Mudamos, nos acomodamos, queremos mudanças outra vez.
    É assim.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Tempo-rei, soberano tempo... quisera não ter contigo uma contenda: faz as pazes comigo?

    ResponderExcluir
  3. Malu estou passando para agradecer a sua visita, desculpe não ter vindo antes pois não estava conseguindo localizar seu link, apenas hoje consegui lá no buteco mais famoso da blogosfera....rsrsrsrs.Sinta-se a vontade para voltar sempre que desejar, serás sempre bem vinda.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Ser mutante , é tão bom .... Rsrs
    Viver o dia ,cada vez com nuances diferentes.


    Malu , adoro seus textos !


    BjO Grandeeeeeeeeeeeeeee ... :)

    ResponderExcluir
  5. Malu,
    saudades do café da minha avó! A casa dela também não tinha forro, os morcegos apareciam e a criançada tomava banho de chuva.
    abs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  6. Malu,

    Que texto gostoso....
    Senti o cheiro das broas de fuba de minha avó, assadas em forno de cupim..
    Se eu fosse maçã, eu não me dividiria, eu queria ser inteiro, criança outra vez.

    bjo

    ResponderExcluir
  7. Guará, metaformose que nos leva a loucura e que também nos impulsiona a manter a chama acesa pela vida. Meu problema é achar tempo para tantas facetas.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Tempo-rei, faz às pazes comigo e serei finalmente plena a navegar em meus delírios. Tempo-rei, jogue fora esses ponteiros certeiros e serás tu, apenas dia e noite.

    Obrigada Deborah, belo verso,

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Malu, mutações e cronômetro. Coisas que não combinam, né? Pena não podermos viver todas as fantasias.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Jussara, coisa danada de boa é ter lembranças de casa de vó, não é? Então você também se lembra dos morcegos barulhentos? Uma aventura e tanto dormir com o eles rondando. Quanta fantasia!

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  11. Nathália, o Buteco do Lufe é mesmo muito bem frequentado. Bom ver a freguesia dele se achegando por aqui para tomar um drinque ou dois.

    Prazer em recebê-la. Volte sempre.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  12. HUM, gostosa essa broa.

    Lufe, que bom se pudéssemos voltar a ser uma maçã inteira, não é? Você tem razão. Naquela época tudo era bem mais fácil e todos os sonhos eram incrivelmente possíveis.

    Bjo,

    ResponderExcluir
  13. Malu,


    Coisa boa pra mim é vir aqui te ler ,
    reler .
    Sempre tem muito de minha infância em
    seus textos ...
    Saio daqui com aromas doces .


    BjO e uma Noite cheia de Magia e Paz ...

    ResponderExcluir
  14. Malu, vim aqui agradecer seu carinho, e me emociono com seu texto...

    Que saudade da minha vó, meu Deus....do café, do caldo do feijão, de tudooooo.
    Meu coração ficou apertado aqui rs.
    Mas ela tá fazendo café pros anjos no céu, tenho certeza.
    Muito lindoooooooo seu espaço, lindo demais.

    Um abraço meu!

    ResponderExcluir
  15. MALU


    SOMOS METAMORFOSE AMBULANTE.
    E há momentos em que eu, sinceramente, acho que A VIDA QUE QUERO VIVER NAO É A VIDA QUE OS OUTROS QUEREM PARA MIM.
    Tenho um estilo cigano muito, mas muito arraigado em mim. Acho que eu nao deveria nunca ter casado.
    Essa conclusao foi feita pela minha filha, ontem á noite, diante do meu marido.Por que, quando eu viajo pela África..a.credite...eu mergilho na África e, noticias, eu dou a cada 10 dias.
    sei que é egoismo mas, eumergulho no viver africano.
    E acho muito dificil, eu nao voar apra lá, na primeira oportunidade que me der.
    Me sensibilizo com a dor da mulher africana e o choro da crianca de lá.

    MAS, ME FAZ SOFRER A DOR FAMINTA DO POVO ALAGOANO, TERRA ONDE EU NASCI.
    Tem dias em que eu quero ser o MUNDO E,. DENTRO DELE, DEIXAR MERGULHAR E VIVENCIAR MEUS SONHOS...TODOS OS SONHOS.

    Mas, mutia gente tenta me endeusar. nao sou santa. Sou aquele tipod e mulher intensa. Intensa, de tal forma que, se eu viajar e der de cara copm umj Principe Encantado, daqueles de me tirar o fôlego..acredite!!!!NAO SOU HIPOCRITA EM DIZER QUE NAO VOU QUERER TIRAR UAM CASQUINHA.
    Mesmo que, o dia amanheca e eu tenha que embracar no primeiro aviao...kkkk
    simples assim....
    bjs e dias felizes

    ResponderExcluir
  16. Malu, queridaaaaaaa!

    Fizesse eu viajar pelo passado agora. Casa de meus avós paternos: uma chácara cheia de laranjas e outras frutas. Passávamos as tardes debaixo das laranjeiras.

    Casa de meus tios: eu vivia exatamente essa sensação de acordar cedo e ficar na cama esperando o barulho das panelas que sinalizavam o café abundante, cheio de bolos, roscas, e até o leite tirado da vaca Estrela antes do amanhecer.

    Casa de outro tio, às vezes íamos de trem maria fumaça, acreditas.

    Ahhh quero morrer pensando nisso!

    Obrigado por me levar de volta ao passado! Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá Sil,

    Fico feliz em te trazer lembranças tão boas. Saudades é o amor que fica, não é?

    bjs

    ResponderExcluir
  18. Querida Grace,

    Fiquei muito contente com sua visita. Acho que as pessoas tendem a endeusar quem tem coragem para ousar. Sua ousadia foge do lugar comum. você faz algo que lhe é um prazer. Você tem vontade e realiza.

    Muitas das minhas vontades não alcançam o tamanho maior do que a minha rotina. Mas quem sabe um dia me inspiro em você e crio coragem para realizar desejos do tamanho da África?

    Beijo grande e continue a contar em seu blog sobre suas metamoforses

    ResponderExcluir
  19. Olá Milton, que bom que você também tem saudades de sua infância. Coisa boa é manter viva essas recordações, não é?

    Viva os pés de laranjas, os pés de caju, as goiabeiras, os banhos de rio, as casas dos avós, primos e primas e todos aquelas pessoas amadas que a nós foram e são tão caras na nossa lembrança.

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  20. Olá,
    Este odor a cafezinho é-me familiar...
    Posso ficar aqui um bocadinho, só para saborear a sua memória. De tudo isso que contou só morcegos não tinha...
    Quando à sua metamorfose, gostei
    e pago-lhe com a mimnha,
    a segunda que já postei. É assim:

    METAMORFOSE - II
    Pediram-me que fosse árvore,
    com olhos de implorar...
    Não uma árvore qualquer,
    mas com ramos de abraçar,
    tronco forte
    bem enraizado,
    suavemente inclinado.

    Aceitei e gostei.
    Gostei que o vento me sussurrasse.
    Uma ave em mim pousasse
    escolhendo-me para seu ninho.
    Gostei de me sentir enorme, gigante
    dando conforto e sombra à caminhante
    Gostei de me desnudar, perder folhagem
    atapetando a paisagem
    Gostei de sentir a seiva quente
    percorrer-me como quando era gente...

    Aí, senti saudade de voltar
    e voltei, em festa...
    Quem antes via apenas a árvore,
    pode agora ver, através de mim, a floresta

    Beijo

    ResponderExcluir
  21. OI! O JORNAL AFOGANDO O GANSO/ http://afogandooganso.blogspot.com com intuito de se expandir se torna a partir de hoje um veículo multimídia e conta com você e seus amigo para que o crescimento seja verdadeiro.

    Conheça as mudanças na página principal, onde apresento um “tutorial” com as novas opções e conheça o “Menu Suspenso” com os novos caminhos.

    Aguardo-lhe,
    Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Interessante o post, mas com certeza, nunca conseguiremos no dividir tanto a ponto de viver cada coisa que queremos ver na vida, com muito esforço, conseguirmo ver / realizar aquelas mais importantes...

    Fique com Deus, menina Malu Machado.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Olá Malu!
    me desculpe a demora em te vistar.
    Fui lá apreciar suas músicas e gostei muito.
    Vc fez belas escolhas.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  24. Num tô dizendo que ela é saudosista!!!Quem não é, né Malu?!!A memória nos faz prisioneiros do passado, esse é nossa eterna prisão sem muros: a de nunca poder estar lá novamente... só em lembranças. Tem um texto que li quando criança, na segunda série - "A bolsa amarela" de Ligya Bojunga - e que me marcou. Se a gente se identifica, já era! A leitura trazia exatamente o que eu pensava: a menina Raquel tinha uma bolsa amarela onde ela escondia todos os seus sonhos/desejos. E os meus sonhos/desejos eram exatamente os dela: vontade de crescer, vontade de ser garoto e vontade de ser escritora. Acho que a vontade de crescer é comum a todas as crianças (apesar que, depois de grandes, elas querem ser crianças novamente); de ser um garoto pq por ser a única menina de uma ninhada de quatro irmãos; eu era proibida de fazer milhões de coisas legais, simplesmente por não ser um menino; e, por fim, o gosto pela leitura/escrita. Eu cresci, Malu. Menino eu não quero ser mais, rs! E me tornei jornalista. Parte dos sonhos guardados na bolsa amarela se tornaram reais... "Minhas vontades estavam presas na bolsa amarela". Os meus dias, moça, hoje, têm 24 horas...naquela época havia infinitas horas... e com o cair da tarde eu me tornava triste, porque era o dia se despedindo, acabou a brincadeira! Comparo a sua vontade de ser/fazer tantas coisas ao mesmo tempo: relógio de criança é diferente porque não tem ponteiros!!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  25. Como sinto saudade do café da minha avó e do frango crocante da minha outra avó. Que nostalgia!
    adorei!

    ResponderExcluir
  26. Oi,Malu!Obrigada pela visita!Volte sempre!Nossa ocmo eu queria me dividir como a maçã em mil pedaços, ser uma e ser várias ao mesmo tempo,mas infelizmente isso não é possível...Então vamso sendo a cada novo dia uma parte diferente.
    Um ótimo findi!
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Malu! Que delícia, adoro esse seu jeito de escrever. é muito bom, vc podia escrever um livro!

    eu comecei a recordar momentos bons da infância...deu saudades...

    Eu queria é ser a maçã do pecado! ahaha
    bom domingo!
    bjs

    posso te recomendar um blog? vc vai gostar do jeitão dela. É da minha amiga, escritora, Glorinha Lion.

    ela é uma pessoa muito querida, especial. Sincera até doer, generosa, tem um grande coração.
    e como vamos fazer umas blogagens coletivas (fizemos antes, foi muito legal, com o tema "Sentimentos") vc não gostaria de participar?
    Vai ser de quinta feira, acho que quinzenalmente.

    do jeito q vc escreve bem, a blogagem ia ganhar muito

    vou deixar o link dela pra vc conhecer
    http://cafecomglorinha.blogspot.com/

    bjs

    ResponderExcluir
  28. Roberta, A Bolsa Amarela foi um livro que mantive na minha biblioteca por muito tempo. Acho que foi adotado por muitos colégios rss. E isso é bom pq o livro é de alto nível. Eu não pensava no que levaria na bolsa, mas ficava imaginando: Pq não uma bolsa vermelha??? Pq não tinha um patins dentro da bolsa dela??? Sério, contestava tudo kkk.

    Realmente, o tempo de criança também era um tempo de agora ou nunca. Pq criança pensa que o mundo vai acabar se não fizer naquele instante o que lhe vem na telha. Mas, apesar dessa profunda sensação de fim de mundo, um novo dia sempre surgia com infinitas oportunidades.

    Hoje sabemos que as vontades são eternas, mas as realizações finitas. Daí eu querer ser várias almas, várias malus, vários pedaços de mim.

    Beijo grande, amiga e obrigada pelo comentário carinhoso.

    ResponderExcluir
  29. Alexandre, que orgulho ouvir isso de você! Admiro muito o seu trabalho no blog. Gostei e quero muito participar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  30. Flor, que bom te receber por aqui. Espero que volte sempre para um delírio ou outro.

    Se dividir e ainda permanecer inteira. Se alguém descobrir o segredo, me conta !

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  31. Oi Fátima, que bom que gostou das músicas. Estou pensando em fazer uma seleção diferente todo mês. Se tiver pernas, te aviso !!

    Bjs,

    ResponderExcluir
  32. Rogério, que linda metamorfose. Também eu em minha vida ando com vontades de me metamorfosear. Viver outros destinos, outros personagens e depois voltar, mais rica, mais plena.

    obrigada pelo poema.

    bjs,

    ResponderExcluir
  33. Adorei! Tanta sensibilidade para narrar suas memórias... (são suas, né? Ou são de um personagem?)

    Se eu fosse uma maçã, 1/3 do meu tempo seria para escrever mais no meu blog e para poder me deliciar mais com blogs como o seu!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  34. Ah, Ana, que elogio! Este aqui são memórias mesmo.

    Bjs,

    ResponderExcluir