"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

domingo, 24 de outubro de 2010

De salto alto




Passou batom
Usou perfume
Vestido de seda
Salto alto
Entrou na festa com olhar de perdigueira
Resoluta.
Buscou a caça.
Ao telefone o encontro era certo.
Não estava
Desencontro? Vó doente? Dor de dente?
Atropelado, seqüestro-relâmpago, morte de parente?
A noite perdeu o brilho, ela perdeu o brilho.
Desencantada, Cinderela volta para casa.
Pelo retrovisor do carro a cena do cara. Nova namorada.
48 horas de luto. 
De nada adianta o consolo dos amigos
Choro compulsivo, pensamentos suicidas
No espelho procura pelas respostas:
Sou gorda de mais? Magra de mais? Alta, baixa, quieta, atirada?
O que tem de errado comigo?
No domingo, sol de Ipanema
Telefone toca, convite de amiga.
Põe seu biquíni novo, óculos escuros, saída de renda
Tira o salto.
Do alto de sua rasteirinha, encontra novo amor, tomando água de coco.

34 comentários:

  1. Nada como um novo amor pra acabar com as turbulencias..
    Gostei!! vim te conhecer.

    Eu tb tenho boas lembranças da casa da minha avó!
    neijinhos,
    Ester

    ResponderExcluir
  2. Oi Ester,
    Sempre bom casa de vó, né. Gostoso ver como este post mexeu com tanta gente.

    Sim, novo amor e autoestima, sempre.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Agarre esse mesmo poema
    Troque o sol de Ipanema
    Por um sol de uma praia portuguesa
    e terá a mesma rapariguinha
    sem auto-confiança, fútil, burguesa...

    Bom retrato!

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Rogério, você pegou o espírito da coisa, ou a coisa do espírito rs.
    Também, de poeta, só poderia esperar uma sacada dessas.

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  5. Oi Malu, vim retribuir sua visita e gostei muito do seu blog. Adorei teu poema, muito bom e bem escrito. Claro que pode participar das blogagens, é só se chegar. Amanhã vou dar os detalhes tá? bjs,

    ResponderExcluir
  6. E vamos de "maquiagens" quem sabe se não aparece um baile de máscaras, né, hahahahaha!
    A moça ficará delumbranteeee!
    Bjs queridos pra você..

    ResponderExcluir
  7. Estarei lá Glorinha. Pode contar.

    bjs,

    ResponderExcluir
  8. Pois é meu caro amigo Guará, quantos anos para Cinderela descobrir o prazer de tomar sua água de coco com ela mesma e se sentir muito bem acompanhada.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  9. Malu,

    Que beleza de poesia
    Flui tranquila serena...
    do salto a rasteirinha...

    bjo

    ResponderExcluir
  10. As vezes o amor aparece quanto menos se espera...

    E bom texto.

    Fique com Deus, menina Malu Machado.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Minha amiga, você esta cada vez mais Luft. Amei o poema. Beijos

    ResponderExcluir
  12. Malu ,

    Adorei , também me repito sempre aqui ...
    Mas adoro seus textos , poesias.
    Fluem tão bem em mim .


    Sempre acreditei que o amor chega de havaianas ,
    a luz do dia , sereno e com sorriso aberto ...


    Nem digo mais nada , é tão lindo .



    BjO Imenso e uma Noite de paz.





    PS:
    Seus comentários me deixam muito feliz.
    Tem peso dobrado .
    Obrigada pelo carinho ... :)

    ResponderExcluir
  13. Tô descalça, Malu, a beira-mar... caminhando com as rasteirinhas à mão, meio cabisbaixo... vc sabe o quanto eu teria a comentar sobre o seu texto, mas...

    "Ó meu Pai, dá-me o direito...de me apaixonar todo dia"

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  14. Malu, que poema perfeito!!
    Ele diz tudo, mas de uma forma tão sutil...
    Adorei de coração!!
    O comentário do Rogério tb. foi ótimo.
    Que linda forma de se encerrar a noite ;)
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  15. Do alto de sua rasteirinha... Que barato! Gostei muito do poema. Leve e, ao mesmo tempo, tão "visual". A gente lê e vai vendo a cena...

    Vou recomendá-lo a uma pessoa que conheço que faz pouco tempo perdeu o amor...

    Beijos! Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Adorei Malu!!! Toda mulher deveria se reconhecer "no alto", mesmo de rasteirinha!!!

    E adorei ver a Ana aqui em cima!!!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  17. Malu, querida!

    E assim tem que ser a vida!!!

    Que chorar, que nada!!!

    A felicidade, as surpresas boas da vida, sempre aguardam a gente, logo ali na esquina!

    Um abraço pra ti, e uma semana linda!

    ResponderExcluir
  18. Oi,Malu!Respondi lá no blog,mas na dúvida respondo aqui também sim meu nome é Sibele.
    Mulher sempre acha que tem algo errado com ela "magra demais gorda demais..." por que somos tão complexas e as vezes até complexadas?
    Uma ótima semana!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  19. Lufe, tirar a maquiagem deixa tudo fluir melhor, não é?

    Bjs,

    ResponderExcluir
  20. Oi Ana, rasteirinha é um ícone da brejeirice. Um encanto só.

    Bjs

    ResponderExcluir
  21. Roberta, querida, dá um mergulho bem gostoso no mar e espere o tempo amiga. Só ele. O luto nem sempre tem 48 horas. Mas as esperanças, essas sim devem renascer de pronto.

    Beijo grande, amiga.

    ResponderExcluir
  22. Fabíola, sim, do alto da rasteirinha é uma imagem bem forte de auto-estima. Para que tanta montagem?

    ResponderExcluir
  23. Malu, tô indo daqui a pouco te visitar. Tenho que ler. virou mantra.

    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Adorei o post. Quantas vezes já passamos por isso... rs!

    ResponderExcluir
  25. Olá Malu!
    Nada como um dia após o outro, o importante é não perder o sono!
    Bjs
    Elenir

    ResponderExcluir
  26. Malu, tens razão de rasteirinha vamos fazendo... e tomando uma água de coco para desanuviar!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  27. Sempre há um novo amor por vir, basta ter calma e dar tempo ao tempo...
    Beijos

    ResponderExcluir
  28. Nossa, Malu, que delícia de poema, que delícia de textos!!!
    Você tem aquele dom que me encanta, de quem vê a beleza e a poesia das coisas simples da vida, que, na minha percepção, estão entre as mais belas.
    Adorei tudo por aqui!
    Se me permite, voltarei sempre!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  29. Olá Malu,
    Como vai?
    Provei de teu absinto... e olha que quase me embriago...
    Muito boa sua escrita, objetiva, clara, mas de extrema sensibilidade!
    Esse último poema me remeteu, em grande parte, às leituras que tenho feito. Falar de mulher, sem ares feministas, guardando apenas uma linguagem feminina. Muito bom!
    Tomaremos mais absintos e cafés juntos.
    Obrigado pela visita!
    Um grande abraço
    até,
    Mauro

    ResponderExcluir
  30. Malu,

    Muito bom teu texto.ADOREI!
    Ácido, com humor, tudo na medida certa.
    Agora q o "amor" era uma paquera recente, era, né? Amores de longa data não permitem esta virada rápida, mas ainda assim ela é feita.

    Agora teu blog está na minha página, gosto de indicar leitura de qualidade! É foi muito bom te descobrir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Malu,

    Muito bom teu texto.ADOREI!
    Ácido, com humor, tudo na medida certa.
    Agora q o "amor" era uma paquera recente, era, né? Amores de longa data não permitem esta virada rápida, mas ainda assim ela é feita.

    Agora teu blog está na minha página, gosto de indicar leitura de qualidade! É foi muito bom te descobrir.
    Beijos

    ResponderExcluir