"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Minha idéia é meu pincel - Frida Kahlo

Frida Kalo - Auto-retrato

Este é meu retrato. Homem e mulher.

Personagem andrógeno, um enigma.

Mas, não. Não perca tempo tentando me desvendar.


Entre as matas intransponíveis deste meu antigo México, também sou eu indecifrável.

Sou muitas, sou muitos, sou mito transgressor.

Mergulho em uma realidade fantástica.


Para os outros.


Para mim, tudo o que me cerca é passível da mais pura verdade.

Em perfeita harmonia declaro amor eterno à irreverência.

A normalidade do meu ser é não ter parâmetros que me reduza.

Adoro meu mundo caótico e pragmaticamente imprevisível.

Dentro do meu universo inventado, tudo percorre na mais perfeita desordem.

Auto-retrato.

32 comentários:

  1. Super maneira a pintura. O andrógeno desperta bastante atenção e curiosidade.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Malu,
    Frida ficaria encantada e lisonjeada com as suas palavras.

    Agora me diz: O que o Diego Rivera viu que eu não vi?
    E ela ainda sofria terivelmente da coluna....
    Eu hem?;;;;rs

    bjo

    ResponderExcluir
  3. Beleza sua definição diante desta tela, Malu!
    Pois isso era Frida, garra e determinação que a levou a sobrepor-se a todas as controvérsias em sua vida e suas eternas dores.

    A resposta ao amigo Lufe acima posso dar, dizendo-lhe que Frida era uma mulher muito bonita, ela é que se retratava feia e o tal Diego Rivera, sim, este era feio que nem um ogro. hehe
    abraço carioca

    ResponderExcluir
  4. Esse auto retrato descrito por vc, maravilhosa Malu, tb poderia ser o meu, desordem e caos na irreverência assumidamente imperfeita. Adoro tudo o que escreve. E como disse a Beth, a Frida era uma mulher muito bonita e não só bonita, extremamente atraente, tanto para homens como para mulheres. O Rivera sim, era um bicho : gordo e horroroso. Já ela, tinha o chamado borogodó...beijos.

    ResponderExcluir
  5. Então, Beth e Glorinha, agora sou em que refaz a pergunta do Lufe: O que ELA viu nele??? rss

    Bjs,

    ResponderExcluir
  6. Olá Malu...corujemos!!!
    Já vi que o papo está animado por aqui!rss
    Gostei muito da sua descrição...foi realmente muito feliz com as palavras!
    Foi um parto bom!rss
    Parabéns!
    Beijos
    Astrid Annabelle

    ResponderExcluir
  7. Voltei... esqueci de postar a minha foto no teu mural, e, de responder à tua pergunta, não, eu não tenho livro publicado, tudo meu está nos meus dois Blogs, no CONTOS DE LILY (ficção) e no O MEDO DE SUZANA (a minha vida, a minha história, os meus conceitos).

    Beijos!

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  8. Malú

    Poema perfeito para este quadro.

    Tenho andado pelos blogues e tenho notado uma constante que não consegui entender: várias pessoas se referiram que sendo ela uma mulher bonita (e era) se retratou como sendo feia. É aqui que reside a minha dúvida: não vejo como sendo feia. Nada mesmo.

    Beijos

    António

    ResponderExcluir
  9. Bela participação, Malu! Um lindo dia para você, beijos :)

    ResponderExcluir
  10. O poema ideal para esta imagem, penso que a Frida era uma mulher bonita, mas também penso que a beleza está nos olhos de quem a vê.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  11. Malu, que maravilha! Linda homenagem a Frida Kahlo... Mas seu poema foi além: fez com que muitos de seus leitores se sentissem autorretratados também... Eu, por exemplo, me vi nos seguintes versos:


    "Em perfeita harmonia declaro amor eterno à irreverência.

    A normalidade do meu ser é não ter parâmetros que me reduza.

    Adoro meu mundo caótico e pragmaticamente imprevisível.

    Dentro do meu universo inventado, tudo percorre na mais perfeita desordem."

    PARABÉNS!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Muito bonita a forma com a descreveu. Parabéns.

    ResponderExcluir
  13. Malu ,


    Belíssima sua participação.
    Sabes que sou sua fã , Rs ...


    BjO e um Dia de Paz.




    PS:
    Sim , já li Mia Couto e tem umas 2 duas postagens dele ,nos dias próximos passados.

    ResponderExcluir
  14. Malu
    Impressionante, como você descreveu.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Olá Malu,
    Gostei bastante desse auto-retrato!
    A irreverência foi pedra de toque de Frida, depois de tanto sofrer o que lhe restava? Ser transgressora, afrontar a vida!
    Beijos,
    Manú

    ResponderExcluir
  16. Oi, Malu!

    Concordo com o Lufe, acho que Frida se sentiria retratada neste seu poema. Muito emocionante, e nos transmite tudo que sentimos ao ler a Biografia da Frida.

    Perfeito, Malu!

    Beijos :)
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  17. Olá, querida Manu
    "Em perfeita harmonia declaro amor eterno à irreverência... tudo percorre na mais perfeita desordem"...
    Gostei desses versos que fez... achei-os interessantes e coerentes ao seu poema tão bonito...
    Obrigada e parabéns!!!
    Bjs de paz e votos de excelente fim de semana junto aos seus.

    ResponderExcluir
  18. Malu, entrou plenamente no quadro e todo o sentimento de Frida. Parabéns!
    Namasté!

    ResponderExcluir
  19. Malu,

    Ela é forte, máscula sisuda. Mas nao gosto de sua tela e suas artes nao. Admiro como artista, mas achque retrata sofrimento demais. Não gosto!

    ResponderExcluir
  20. Áté aqui
    Acho que só eu entendi
    que a génese de Frida
    está neste texto
    A cronologia está errada
    e o auto-retrato
    é o mapa para o que frida veio a ser
    e a pintura, só depois acontecer...

    (se o pintor a tivesse lido
    teria assim este seu quadro aparecido)

    ResponderExcluir
  21. Malu como sempre chego aqui e amo as suas participação. Gostei muito dos dois auto retratos.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  22. Malu.
    tão Frida: "Dentro do meu universo inventado,tudo percorre na mais perfeita desordem".
    Respondendo sua pergunta, segundo uma biografia que li, eles eram apaixonados pelo que tinham de arte e intelecto em comum, pois ambos eram infiéis e sabiam, ou seja na mais perfeita desordem.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  23. Malu
    Acho que você retratou fielmente a tela e a vida dela.
    Eu quase não consegui. Tentava, tentava e não saia nada.
    Hoje pra mim foi complicado.
    beijos

    ResponderExcluir
  24. Querida Malu,

    já não passo seu ABSINTO. Acho mesmo que estou viciada! Onde são os alcoólicos anómimos, por favor? kkkkk


    Adorei o Mito Transgressor!!!

    beijos e Paz***

    ResponderExcluir
  25. Malu,

    Ainda continuo achando a Frida muito feia. Já vi varios retratos dela, quando menina, quando jovem, quando vivia com o Rivera, etc.
    Não é o meu padrao de beleza.
    Os auto retratos, é claro,foram pintados de acordo com o seu estilo de pintura, que pode ser considerada ingenua.
    Nos seus quadros ela ressalta suas caracteristicas mais marcantes que eram as sombrancelhas e o buço.
    Ela era transgressora em tudo.
    No casamento aberto com Rivera, no caso que teve com Trotisk, nos seus casos homossexuais.
    Ela era otima artista, teve uma vida interessantissima, contestadora, vanguardista nas suas atitudes.
    Mas que era feia, era!

    bjos

    ResponderExcluir
  26. Lindo teu olhar sobre a tela e interpretação.beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  27. Lindo poema Malu, as palavras fluem como água!
    Prazer te conhecer!
    Gratindão.
    Lindo este teu Blog!
    Beijos Iluminados.
    William Garibaldi

    ResponderExcluir
  28. Pois é, o Lufe!! Ainda bem que respondeu, porque feiúra por feiúra, Frida era mais gostosa que Rivera e deixou-lhe bem claro. O erro não é da mulher, pois quando ela ama, tende a colocar este homem para cima e ele se sente o máximo! E este maledito a traia com todas as mulheres, não perdoando nem mesmo sua irmã. Dizem as más línguas que quando Frida não o quis mais em sua cama, ele broxou com as outras mulheres, porguê? Porque Frida era o combustível de todas as suas fantasias. Certamente, ela tinha muito mais que beleza ou mesmo sexo, tinha a complexidade do ser humano, algo que faltava para alguém vazio como Rivera!
    Linda homenagem, adorei os versos e as reflexões! (rs*)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  29. lindo!!!
    (desculpa a demora em comentar, eu nem pude fazer minha participação por problemas de família)
    adorei, Malu, vc viu o quadro com perfeição, o traduziu mesclando com seu mundo pessoal.

    perfeito! vc e o Mandrag capricharam

    ResponderExcluir
  30. Malu querida, cada vez que visito seu blog me surpreendo com algo. Esse poema foi inspirador. Do mesmo jeito que não existe o bem ou o mal absoluto, algo semelhante acontece com gêneros. Cada um tem uma pitadinha do outro e assim vai... Tô achando que você faz por merecer um novo prêmio. Pode ser o do nosso respeito e da nossa admiração?
    Bjs!

    ResponderExcluir
  31. Lindo poema , perfeito para o quadro e para a artista.
    Belissíma participação.
    bjs

    ResponderExcluir
  32. adorei sua PERFEITA DESORDEM. Boa semana

    ResponderExcluir