"Absinto" é uma bebida destilada feito da erva Artemisia absinthium. Anis, funcho e por vezes outras ervas compõem a bebida. Ela foi criada e utilizada primeiramente como remédio pelo Dr. Pierre Ordinaire, médico francês que vivia em Couvet na Suíça por volta de 1792.É também conhecido popularmente de fada verde em virtude de um suposto efeito alucinógeno. Absinto, o blog, é um espaço para delírios pessoais e coletivos. Absinte-se e boa leitura.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Das cinzas



Click na foto e conheça o trabalho de Maria Turchenkova
Enquanto acreditar em teses, minha vida se esvai. Essa foi a última frase que ouvi de minha prima, antes de sua morte. Ela não queria esse mundo. E esse sentimento é tão profundo que quantos de nós não os sentimos todos os dias?

Eu não quero corrupção, mas dou o meu jeitinho. Acredito em parto humanizado, mas me conformo com uma cesariana eletiva. Acho que a mochila do meu filho anda pesada e que é um massacre a cobrança de estudar para um vestibular sobre uma criança de 7 anos, mas matriculo meu filho na escola mais competitiva da cidade. Eu amo dançar, mas não acho tempo. Adoro meus amigos, mas não tenho assunto com eles que não seja do meu interesse. Não sei escutar e quero ser ouvida. Não abraço e quero abraços. Não concordo com o trabalho que faço todos os dias, mas me arrumo e vou. Todos os dias. A vida se esvai por entre meus dedos. Não percebo. A vida se foi. Hoje estou velha e cansada. As pernas atrofiadas, o coração duro, o sorriso fugiu para algum lugar da inocência perdida.

Foi-se. E a fruteira da sala está vazia.

Não carrego memórias felizes, apenas momentos de ausência. Minha vida foi uma enorme ausência de mim mesma. Sem coragem para as coisas que verdadeiramente acredito.
Não me impus, não me encontrei, não me realizei. Agora sou sombra sem afago.

Hoje um véu se desvendou. Antes de enterrar minha prima, desenterro minha alma e volto ao jardim do mundo. Vou buscar o encanto. 

Hoje, amanheci mais leve.

22 comentários:

  1. Viver é preciso, portanto temos a necessidade de analisar cada fato de nossas vidas e tentarmos olhando o lado bom. nele perseverarmos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Élys. Talvez este seja o grande segredo da vida.

      Excluir
  2. Que lindo, tocante, desafiador... comecei a me encontrar agora, com a maternidade, agora consigo olhar e ver tanta coisa que deixei escorrer entre os dedos, tantas coisas feitas contra minha vontade, por não me impor.
    Obrigada pelo texto, pelo toque, pelo dedo na ferida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada você pelo retorno. Sempre é bom quando deixam recados. Da próxima vez deixa seu nome, tá? rs Abraços.

      Excluir
    2. uai.. achei que tivesse deixado...rsrsrs meu nome é Rana!!!

      Excluir
  3. Belo texto, Malu! Como sempre muito bem escrito e deixando a sensibilidade aflorar a cada palavra! Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Eliana ! Sempre muito bom esse retorno. :-)

      Excluir
  4. Malu, como sempre muito bom o seu texto! Exato e belo!

    ResponderExcluir
  5. Malu, apesar da dor, hoje você se superou. Que beleza de texto, arrepiou!
    um grande abraço carioca

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Dos seus textos que li, o melhor deles! Ótimo, verdadeiro, sincero. A minha cara, sem sombra de dúvidas. Não aprecio realidades deturpadas, enganadoras.

    Beijos, e, obrigada por me convidar a lê-lo!

    Suzana Guimarães, a Lily.

    ResponderExcluir
  7. Respostas
    1. Conheço duas historias sobre a Ceiuci. A que ela vira a constelação plêiade e uma em que ela persegue um rapaz com sua fome insaciável.a qual vc se refere?

      Excluir
  8. Malu(estranho chamar por um apelido que pressupõe proximidade, alguém a quem não conheço pessoalmente)
    Pois bem, hoje li uma poesia de um jovem escritor português em que ele questionava se a liberdade que supomos ter não seria uma mera ilusão, prisioneiros que somos das regras sociais.
    Parto deste ponto para questionar o que supõe uma ausência de si.
    Somos parte de uma engrenagem massacrante. Simplesmente não conseguimos nadar contra a corrente, mesmo quando temos opiniões próprias ou nos posicionamos contrários ao modus operandi vigente.
    Não se cobre pelo que deixou por fazer. Aproveite a viagem.
    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Marcia. Se ler esta mensagem, gostaria de ler o texto do jovem escritor japonês. Realmente a essência desse texto parte do questionamento da engrenagem. Até que ponto podemos nadar contra a correnteza? Não sei. Até que ponto podemos nos culpar? Realmente, nem tudo está totalmente ao nosso controle e nem tudo pode ser desprezado. Obrigada pela mensagem. Quanto a viagem? Enquanto a faço, escrevo. Volte sempre !

      Excluir
  9. Nunca é tarde para iremos buscar o encanto Malu querida!
    Não podemos alterar o passado, mas podemos aprender a conviver com ele e, a não voltar a fazer as coisas menos certas, mas o que é certo, ou errado,quando nosso coração não é por nós comandado.
    A vida é um enorme segredo da própria vida.
    Adorei ler-te querida, lamento o falecimento da tua prima.

    beijinho e uma flor

    ResponderExcluir
  10. Malu, muito lindo o seu texto. É muito bom ser brindado com palavras que tocam e ajudam a refletir.
    Digo-lhe que a vantagem de que recomeça é que não sai do zero. Há uma bagagem de vida, de sentimento e de saber o que não quer. Como diz a Márcia Montalvão "aproveite a viagem". Olhe as coisas passadas com o coração pois ele mostrará a parte boa do que passou e energizará o que está por vir.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras sinceras. Energizar é preciso !

      Excluir